Topo



EXAMES

Unidades

Alto da Serra (ABC)

(24) 2242 4041

Bauhaus Expansão

(24) 2237-2851

Cascatinha

(24) 2280-1818

Corrêas (Matriz)

(24) 2221 2370

Hosp. Unimed - Bingen

(24) 2233-2277

Itaipava

(24) 2222-7046

UPA Cascatinha

(24) 2246-0522

UPA Centro

(24) 2221-4826

Valparaíso

(24) 2235-7795

Xerém l Duque de Caxias

(21) 2679-1001




SELOS


Os benefícios dos fosfolipídeos no exercício.

 

                                                                                

                             
    
Fosfolipídios são lipídeos que contém ac fosfórico e gordura saturada e polissaturada na sua composição, exercem papel fundamental na melhora da performance no exercício, diminuindo o estresse pós exercício (overtraining), a fadiga e melhorando a síntese proteica conforme evidências divulgadas por artigos científicos; tema esse muito bem debatido no ultimo Arnold Conference. 

     São encontrados em alimentos de origem animal e vegetal, porém com maior abundância no ovo, ou melhor, na gema do ovo. Então de nada adianta encher o prato com omelete de 5 claras e jogar fora todo o ouro de grande valor biológico!
     Uma boa forma de ingeri-los também como Pré treino é sobre suplementação de óleo de coco, cartamo ou Krill. Mas como sigo a linha quanto mais natural melhor,segue uma boa receitinha pré treino:
     Uma ótima combinação de proteína com carboidrato complexo e fosfolipídios é fazer um omelete de 2 ovos +2 colher sopa farelo de aveia+atum ou sardinha. Ralar uma cebolinha, salsa e leve ao micro-ondas por 3 minutos ou na própria frigideira.
 

  Liana H. Gonçalves

Nutrição estética e esportiva

  lianapersonaldiet@gmail.com







continuar lendo

Ler Outras Notícias


Efeitos da musculação em jovens obesos

     Estudos sugerem que a aptidão muscular é um marcador relacionado à doença cardiovascular e a síndrome metabólica. Assim, estratégias para aumentar a força e a massa muscular, como a musculação, poderiam auxiliar na redução do risco cardiovascular.
Entretanto, até o presente ainda não estava claro se um programa de musculação sem aeróbico poderia melhorar marcadores de risco endoteliais e inflamatórios de adolescentes obesos. 
     Um estudo extremamente recente mostra que a musculação, além de promover excelentes efeitos sobre os marcadores acima citados, é uma estratégia alternativa que pode aumentar a aderência dessa população à atividade física considerando a limitação de indivíduos obesos na realização de atividades aeróbias e esportes.
     O objetivo do estudo (resultante da tese de doutorado de @ingridbfdias) foi investigar os efeitos de um programa de musculação sobre a função endotelial, perfil hemodinâmico, metabólico e inflamatório, composição corporal e condicionamento físico em adolescentes obesos. 44 adolescentes (24 meninas; 13 – 17 anos; IMC: 20.6±2.4 kg/m2) foram divididos em dois grupos de acordo com o z-IMC: obesos (OB; z-IMC 2 a 3) e controles (CG; z-IMC -2 a 1). Antes e após 12 semanas de treinamento em circuito periodizado e progressivo em musculação diversos parâmetros foram avaliados. 
      Em resumo o programa composto exclusivamente por exercícios de musculação foi capaz de melhorar a função endotelial, parâmetros hemodinâmicos e metabólicos, composição corporal e aptidão física de adolescentes obesos não-diabéticos, independente de alterações na massa corporal. Assim, reiteramos a ideia de que a musculação pode ser uma alternativa para a prevenção e tratamento dos fatores de risco relacionados à obesidade nessa população.

     Dias et al. Effects of Resistance Training on Obese Adolescents. Med Sci Sports Exerc, 2015

  Belmiro Freitas de Salles PhD                                                                                                                                       Graduado EEFD/UFRJ, Especialista Musculação,Mestre UFRJ, Doutor UERJ,Professor Pesquisador (62 artigos/323 citações na SCOPUS).                                                                                                                                                         belmirosalles@uerj.br




continuar lendo

Ler Outras Dicas

Perguntas Frequentes


Malária


 

Como se adquire a Malária?

O mecanismo natural de transmissão mais frequente pela picada de mosquitos denominados Anopheles, insetos estes que predominam nas áreas silvestres, sendo que o maior número de casos no Brasil se concentra na região Amazônica. Não sendo considerada uma doença de transmissão direta entre os seres humanos, ou seja, não é contagiosa.

Existem casos confirmados de Malária adquiridos no município de Petrópolis?


Sim. Pelos os relatos da Vigilância Epidemiológica, pois o município tem uma extensa área de florestas, habitat natural dos mosquitos e os seres humanos ao entrarem em contatos com essas matas podem se expor a picadas desse insetos que ocasionalmente se contaminaram ao picarem pacientes portadores de malária.


É possível essa doença se espalhar nas áreas urbanas de nossa cidade? 


Não. Pois obrigatoriamente haveria necessidade de grande proliferação desses mosquitos nas áreas urbanas, fato este que não ocorrerá pois estes insetos se localizam nas áreas silvestre.


Existem vacinas contra a malária?


Não.


Petrópolis tem estrutura de saúde para tratar casos de Malária?


Sim. O serviço do DIP (doenças infecciosas e Parasitarias) localizado no hospital Municipal Nelson de Sá Earp, pois há muitos anos já trata casos de Malária, especialmente de pacientes procedentes da região Amazônica ou de países Africanos que são moradores de nosso município.


Dr. Antonio Luiz Chaves Gonçalves
Infectologista


Diretor Medico do Laboratório de Corrêas

 

 

 

© 2015. Todos os Direitos Reservados - Laboratório de Corrêas - (24) 2221 2370 - laboratorio@laboratoriodecorreas.com.br - CRÉDITOS
Assessoria Cientifica: (24) 98865-0754 - Segunda a Sexta das 07h às 18h - Sábado das 08h às 12h